Deus em questões: perguntas, respostas e dúvidas

Bernardo Santos

 

     Não terá o homem inventado os deuses para poder sentir-se seguro? Por que existem tantas religiões? O que realmente se pode afirmar a respeito de Deus? Estas e outras perguntas fazem parte do livro de André Frossard, “Deus em questões”, e são respondidas através de uma visão pessoal / teológica. Enquanto pessoal, procura demonstrar espontaneidade, aguçando a curiosidade que despertam as questões. Enquanto teológica, se fundamenta em contexto histórico, bíblico; porém, em momento algum expressa seus sentimentos de cúmplice espiritual, tornando a leitura descontraída, interessante e questionável, e ainda mais, digna de ser debatida.

     Há deuses e Deus. Os deuses parecem terem sido criados pelo homem como meio de afugentar o medo e de controlar a sociedade através do domínio do bem e do mal. E Deus não representa o bem e o Diabo o mal? É por esta e outras dúvidas talvez, que existam tantas religiões. As três religiões da bíblia – o judaísmo, o cristianismo e o islamismo – segundo Frossard, ninguém poderia gabar-se de conhecê-las suficientemente pra pronunciar-se a favor de uma ou de outra com pleno conhecimento de causa. Se existem muitas religiões, existem também muitas verdades entre as quais é impossível escolher.

     Assim como as verdades; existem também as mentiras. Sociologicamente, a igreja, chamada de “Casa de Deus” é uma sociedade cujos membros representam da mesma maneira o mundo sagrado e suas relações com o mundo profano e traduzem essa representação comum em práticas idênticas. Se não devemos confundir deuses com Deus e se Deus é um só, por que ele teria tantas casas, se ele não precisa de morada?

     Frossard resume as religiões em duas: o monoteísmo e o paganismo. A bíblia toca mais de perto a primeira, e mesmo assim, desta, surgem três ao invés de uma.

     E então, o que se pode afirmar a respeito de Deus? Por mais que se tente uma explicação convicta a esse respeito, ainda surgirá duvidas. Tentar imaginar o inimaginável, o incognoscível é impossível, mas acreditar que ele está em cada um de nós, não é tão difícil assim.

 

(Resenha escrita em 1991, para a disciplina de Sociologia do curso de Jornalismo da USJT-SP).                  

André Frossard é Francês, nasceu em Saint-Maurice-Colombier, em 14 de janeiro de 1915 e faleceu em 02 de fevereiro de 1995, em Versalhes. O Livro original foi publicado em 1990, traduzido no Brasil através da editora Quadrante em 1991 com 203 páginas.

 
 
 

© 2010/17 - Bernardo Santos - Todos os direitos reservados

Lay-out e Hospedagem: Uol Host

Imagens de Abertura das Páginas: Licença Royalt-Free

Fotos: Arquivo Pessoal e Divulgação



  Site Map