Tiro ao pombo

Bernardo Santos

 

Voem bandos de aves

que a vida passa depressa

numa grande confusão;

ora, um pássaro no vale

livre pelo céu a voar

ora, um pássaro de asas quebradas

de corpo esticado no chão.

Irremediável, muito irremediável.

As penas depenadas

o sangue escorrido, coagulado

a carne putrefeita

que pena!

Aqui jaz uma ave

columbiforme por natureza

que de um golpe violento

por mãos criminosas

caiu do alto;

ferida

estrangulada

sem vida.

Contem-me que há milhares de corpos

para serem enterrados.

Perguntem-me porque estou triste.

Digam-me que é impossível salvar a vida

e me acordem,

pois ainda estou dormindo.

Voem meus pombos, voem...

Voem fora da mira                                                                                

para morrer no além,

assim como cava a minha poesia

os sete palmos debaixo da terra

e ela, espírito dos livros

ficará na vida

e eu, seu poeta de carne e osso

se encontrará no sepulcro.

Voem, voem comigo na vida,

pois ambos voamos para a morte.



Transação

Bernardo Santos


A liberdade

fica vagando

dentro de cada pessoa

que queira ver

o seu interior.

E esta de dizer

eu não preciso

é pura mentira;

mesmo o homem

ou a mulher

rígidos

como uma pedra

no final

acabam curtindo

bem transado.

 


Teorema do idoso

Bernardo Santos

 

Face mascarada de rugas

brilho precário

tédio...

Beleza que se foi

constrangida

mãos calejadas entristecidas

esperando a hora

que não tarda.

 


Tentativa 

Bernardo Santos

 

Busco o horizonte

mesmo sem saber se ele existe.

Meu caminho

    eu caminho

sem saber aonde ir,

não pensando em saber voltar.

Sinto-me triste, machucado,

espremido entre uma caixa

com veias obstruídas

que impedem a circulação

produzindo a angustia.

Tento reagir,

mas é impossível

dominar tal força;

esta me arrebenta,

corta, sangra, fere

e me mata de amor.

Sentimentos;

Hoje, fortes...

Amanhã, fracassados...

Mas, são apenas sentimentos

que cabe a mim a função;

eu, pobre coração

de resolvê-los.

Minhas batidas

a cada segundo

geram lágrimas

aos olhos do mundo

que de uma amizade

precisa.

Quero um amor

quero um amigo

quero uma vida,

pois sou um coração

de um verdadeiro homem!                     

São seres de aços

chamados de homens

inconscientes da vida.

São computadores do amanhã

que geram ingratidão.  

                    


Trabalhador do mínimo

Bernardo Santos

 

São mínimas as palavras;

tantas coisas impossíveis

convertidas em prejuízos:

Um acidente, muitos acidentes

nas cansativas e difíceis ocupações.

Trabalhar...

Esforçar-se

concentrar-se

sofrer para obter resultados

consagrar-se.

São tentativas, ao máximo

explosivas

como fogos artificiais

iluminando o céu escuro.

Na cama em repouso completo

um corpo fraco,desnutrido

entregue à velhice e esgotado

de tanto trabalhar,

mas orgulhoso de ter sido um dia

trabalhador.

 
 
 

© 2010/17 - Bernardo Santos - Todos os direitos reservados

Lay-out e Hospedagem: Uol Host

Imagens de Abertura das Páginas: Licença Royalt-Free

Fotos: Arquivo Pessoal e Divulgação



  Site Map