Pequenas anotações

Bernardo Santos

 

Dentro da noite solitária

os temores da juventude

queima as linhas de nossas vidas

tornando vitimas do fogo.

As palavras ausentes da voz

formam fantasmas de perguntas

que não há nenhuma resposta

para alcançar alguma estrela.

O importante é arriscar com luta

vencendo o grande fingimento

que o coração humano guarda

e sua agenda estará completa.

 

Publicado no Livro: Poeira de estrelas e sonhos



Palavras da amizade

Bernardo Santos

 

Pensamentos

que saem deste mundo

indo para as nuvens;

no céu ao alto

surgem dificuldades

ao subir,

o barulho

a falta de atenção.

O descuido é fatal;

tudo pode cair

a qualquer momento

num tufão

numa tempestade.

Os ares são carregados

de energia

força

amor.

Muitos sabem

mas não agem

muitos não sabem

e nem tentam saber.

Tudo se perde

nas nuvens escuras

e quando nos entregarmos

desejarmos

amarmos

compreendermos,

os pensamentos voltarão

a pensar confiante

neste mundo

de inimigos.

 

 Escrita em parceria com Carlos José Soares.

Publicada na Revista: Notti-Sears, 1981.



Papa Francisco

 

Bernardo Santos

 

Lá vem Papa Francisco

em carro aberto pelo caminho

no papamóvel todo branquinho

com confiança trazendo esperança

distribuindo olhares, sorrisos e acenos.

Abençoando a todos com muito carinho

recebendo presentes de gratidão

beijando crianças e saudando a população

pedindo que rezem por ele.

 

Lá vem Papa Francisco

andando a pé pelo caminho

no meio da multidão

sem ouro e nem prata

mas com Jesus Cristo no coração

dizendo bom dia, amigo!

Mesmo com chuva e frio

cumprimentando a todos

desejando saúde, irmão!

 

Lá vem Papa Francisco

fazendo festa pelo caminho

encorajando a fé em Nosso Senhor

pedindo paz, amor e crença no Salvador.

Jorge Mário Bergoglio: o jesuíta franciscano,

a Santidade, o Pai, o Pastor.

Humilde, simpático, alegre e festeiro,

encantando ao povo brasileiro

e aos jovens católicos do mundo inteiro.



Poesia com dor

Bernardo Santos


Não adianta chorar

pequena criança.

Sua dor é profunda

e não vai passar.

 

Pobre coração!

Que de sofrimentos

transborda-se

a cada dia.

 

Que alegria pode ter?

Se a raiz do fruto

perdeu sua semente

na terra preta...

 


Produtor do sertão

Bernardo Santos

 

 

Subo a ladeira

piso na terra

amasso barro

e faço lama.

Sujo a cama

e não tenho nojo.

Piso no mato

ando na grama

arranco capim.

Sou dor sem remédio

descanso cansado

às vezes, tédio.

Planto e colho

com auxílio das mãos

ao cabo da enxada.

Sou par ou ímpar,

são, doentio;

caipira e trabalhador.

Sou os pés

que percorrem a roça

e não se perdem no caminho.

 


Pedido

Bernardo Santos

 

Um dia pedi ao meu pai

que nunca deixasse de ser meu amigo

e ele jamais negou a sua amizade.

Vivia cobrando de minha mãe

proteção e carinho

e sempre os tive com amor.

Filho que sou

pais que tenho

muitos invejam

mas não deveriam invejar,

que a eles devo tanto na vida

que nada no mundo vai pagar,

só é triste depois de tudo

ver um casal que tanto se amam

e um filho menino louco pedindo:

Ensinem-me a viver

e deixar de amar!

 


Poema para nós

I

* Você pequeno grande poeta amigo 

  

Foi pensando em você

que me veio a vontade de viver e amar,

e desta vontade cresceu um sonho

o sonho... você.

Você ternura, amizade...

Dentro de você grita a liberdade

que transpira pelos poros

e que chega até nossas narinas

trazendo o cheiro forte da luta.

Você...você...você...

Que nos agita e nos dá paz.

que nos mostra todo este sonho mundo,

que se ergue entre a escravidão escura

e mostra luz.

Você, pequeno grande poeta amigo,

Trouxe-me fé em meu coração.

 

II

**Obrigado poetisa


Que brilhe a luz divina

e se abra um céu no coração!

É como um rio lento

que deságua ao longe

sua tranquilidade a levar.

Ser poeta. Ah! Ser poeta!

É abrir os olhos ao mundo

e ver nele a poesia

como melhor arma de guerra.

Descer ao chão

subir às nuvens

flutuar...flutuar...

Elevar o pensamento à distância

com ele trazer esperança, amor,

alegria, felicidade

e eternidade...

Destacar o verbo agradecer,

olhar ao alto e dizer:

- Obrigado poetisa!

Você me dá força em continuar a ser poeta.

 

III

*** Laços da poesia

 

A poesia não sente

as palavras não têm vida

o poeta é quem pretende

que as palavras chorem

que a poesia cresça.

 

A poesia existe por si

o homem é quem dela necessita

e se diz dela um fazedor.

 

* Poesia de Zilma Rocha

** Poesia de Bernardo Santos

*** Poesia de Tânia Márcia Cezar Hoff           

  

 
 

© 2010/17 - Bernardo Santos - Todos os direitos reservados

Lay-out e Hospedagem: Uol Host

Imagens de Abertura das Páginas: Licença Royalt-Free

Fotos: Arquivo Pessoal e Divulgação



  Site Map