Manifesto (em festa)

Bernardo Santos

 

Os três poderes tremeram.

protestos, gritos, cartazes,

passeatas, liberdade, democracia.

manifesto em ação.

Salve a manifestação!

O povo brasileiro deu o recado.

O Brasil acordou de um sono profundo

fazendo do sonho uma realidade.

Os meninos do passe livre

lançaram convites nas redes sociais

chamando a população: “Vem pra rua, vem!”.

Um mar de gente se formou em diversas cidades

como soldados dispostos à guerra

para dizerem basta! Chega!

Não aguentamos mais!

A hora é esta!...

Chega de transporte ineficiente e caro;

corruptores e corruptos;

educação mal educada;

saúde em descaso;

falta de infraestrutura e segurança;

mobilidade urbana nula;

sistema político falido

e cultura inculta.

“Queremos tudo resolvido com padrão Fifa

e uma faxina nas Câmaras, Assembleias e Congresso”.

Mas, nem tudo são flores...

Baderneiros não querem lutar;

querem quebrar, destruir e arruaçar;

conflitando o movimento pacífico

dos que buscam direitos humanos e paz.

Um quebra-quebra sem noção,

patrimônio público destruído,

empresários lesados,

desemprego.

Vandalismo desnecessário,

quando o que se quer

é melhor condição de vida.

Tumultos, confusões, ladrões,

saqueadores, aproveitadores, malandros.

Pedradas, pancadarias, fogo.

Briga intensa de mocinhos e bandidos

com policiais na defensiva:

Bombas de gás lacrimogêneo,

canhões d’água,

balas de borracha.

Tiros de arma de fogo,

feridos, mortes.

Mudanças são necessárias:

de pensamento,

de caráter,

de costumes,

de posturas.

Não ficar deitado em berço esplêndido

já é um começo...

Quando tudo mudar,

O país muda e agradece.

Viver com dignidade é preciso;

cada um de nós merece.



Medidas

Bernardo Santos

 

Na mente

a banda

ou nada...

O anotador

anota

a dor

do ano.

Fez-se o nivelamento da cova

cavou-se profundo

acendeu-se à vela

e veio o lamento

da morte.

 


Mulher terra, homem céu

Bernardo Santos

 

Sentado na sacada

de uma nuvem branca

vê-se um tapete de concreto,

suas almas residem

como flechas vivas

na mão do arqueiro.

Cinzas de um passado

trancaram-se

com chaves de todas as portas

na casa do amanhã.

A vida não recua,

não retarda no ontem.

Vê-se a morte

do inverno seco

ralar na aspereza

para conservar a pele;

tudo mudado,

razão falida.

A terra cria

o que o Céu deixa cair

para complementar

o seu destino,

e que este seja para a alegria.

 


Mar misterioso

Bernardo Santos

 

Águas profundas e salgadas

que encantam a maior parte

da superfície da terra.

Mar de mistérios insondáveis

com a dominante cor verde.

Mar de próprios sentimentos

cheio de pureza

transbordado de segredos

jamais desvendados.

Lágrimas do firmamento

que caem em busca da terra

chorando em silêncio

deixando as águas banhar.

A natureza foi entalhada

com tamanha meiguice

e tamanho carinho

que do breve horizonte

até o vasto infinito,

tudo é tecido de beleza e amor.

 


Moléculas das sementes

Bernardo Santos

 

A semente cria o fruto

o fruto o alimento

a fome mata o pobre.

A cultura cria o inteligente

o inteligente o progresso

o progresso as máquinas

e as máquinas operadas

pelos homens

destroem o resto.

 
 
 

© 2010/17 - Bernardo Santos - Todos os direitos reservados

Lay-out e Hospedagem: Uol Host

Imagens de Abertura das Páginas: Licença Royalt-Free

Fotos: Arquivo Pessoal e Divulgação



  Site Map