Áquele soneto; de fidelidade 


E por que não o encanto

de sempre pensar?

Lembrar a poesia

cantar a musica

e recordar!

 

O amor é a chama

que ficou acesa

nos seus dias de vida

e sua obra é o infinito

que deixou na morte.

 

E assim, cedo ou tarde

me procure,

estarei rindo meu riso

e espalhando seu canto.

 

Quero vivê-lo em cada vão momento

e olhar para o céu

(pois poeta, só vai para lá)

e comigo murmurar baixinho:

- Saudades Vinicius!

 

 
 

© 2010/17 - Bernardo Santos - Todos os direitos reservados

Lay-out e Hospedagem: Uol Host

Imagens de Abertura das Páginas: Licença Royalt-Free

Fotos: Arquivo Pessoal e Divulgação



  Site Map